Post Aleatório

A Carregar...
Gadget by The Blog Doctor.

15.5.20

Livros sobre música que vale a pena ler - Cromo #79: "Industrial Culture Handbook", by RE/SEARCH #6/7



autor: V. Vale, Andrea Juno
título: Industrial Culture Handbook
editora: RE / SEARCH
nº de páginas: 148
isbn: 0-940642-07-7
data: 1992, October, 9th Printing
(1ª Edição de 1983)






EDITORIAL

RE|SEARCH

INDUSTRIAL CULTURE HANDBOOK

THROBBING GRISTLE | CABARET VOLTAIRE | SPK | Z’EV | NON | MONTE CAZAZZA | MARK PAULINE | SORDIDE SENTIMENTAL | JOHANNA WENT

 

O “Industrial Culture Handbook” é apenas um guia de referência sobre a filosofia e os interesses de uma aliança flexível dos seguintes, e desviantes, artistas internacionais: Throbbing Gristle, Cabaret Voltaire, SPK, Z'ev, Non, Monte Cazazza, Mark Pauline, Sordide Sentimetal, Johanna Went e R&N. A maioria destes artistas trabalha criativamente há uma década ou mais, com diferentes graus de obscuridade. O ímpeto em comum é a rebelião.

Por "industrial", entendemos o lado sombrio da sociedade pós-Revolução Industrial - a mitologia reprimida, história, ciência, tecnologia e psicopatologia. Por "cultura", entendemos os livros, filmes, revistas, discos etc. que foram extraídos da sobrecarga de informações disponíveis como relevantes e importantes.

Não existe uma estética unificadora estrita, exceto que todas as coisas grosseiras, atrozes, horríveis, dementes e injustas são examinadas com um olhar de humor negro. Nada é (ou nunca mais será) sagrado, excepto um compromisso com as realizações da imaginação individual. Não são artistas de galerias ou salões de beleza que tentam chegar onde está o dinheiro: são artistas apesar da arte. Não há padrão ou valor que não seja contestado.

Os valores, padrões e conteúdos que permanecem são de natureza perversamente anárquica, fundamentados numa moralidade pós-holocausto. Varridas são a falsa polidez, a etiqueta, a preocupação com textura e forma - todos os detalhes associados às várias gerações de arte sobre outras artes. Começando com uma fundação realinhada da história do negro, da ciência negra e das artes negras. Estes artistas apresentaram suas visões, que refelectem o mundo como o vêem, não as realidades oficiais. Os problemas de moralidade e avaliação crítica são deixados aos olhos de quem vê e à história - o que resta dela….

Toda arte tem como fonte os sonhos, o inconsciente e a imaginação. E nos sonhos, tanto na imaginação como na arte - nada é proibido, tudo é permitido….

- Vale, São Francisco 1983


FICHA TÉCNICA

RE|SEARCH

Publishers & Editors: V. Vale, Andrea Juno

Managing Editor: Francisco Mattos

Design Consultant: Rebecca Wilson

Photographer: Bobby Adams / White Line Photography (Barbara Martz, Ira Schrank, associates)

Cameraman & Film Consultant: Jim Morton

Associate Staff: Paul Mavrides

Special Thanks to James Grauerholz, Charles Gatewood, Ratso, Jon Savage and Betty Thomas

Fron Cover Concept & Photography: Bobby Adams (drawing: Peter Hannan)

 

Contributors: Mark Austin, Ana Barrado, Nicole Bengiveno, Mark Berlin, Mark Beyer, Lynda Burdick, Pete Care, Suzan Carson!, Catherine Ceresole, Ed Colver, Paula Court, Val Denham, Carol Detweiler, Don Gereux, Marion Gray, Jonathan Haynes, Andrew Hickinbotham, Steve Hitchcock, Matthew Heckert, Clay Holden, Anne Janowitz, Jim Jocoy, Dalia Judowitz, Erich Mueller, Dan Osborne, Richard Peterson, Peggy Photo, Polyploid Sam, Marzy Quayzar, Wim Riemens, Janice & Mark Sangerman, Siegfried, Ric Soloway, Paul Velik

 

ISBN No. 0-940642-07-7

 

All contents copyright © 1983 by RE/SEARCH & respective contributors

 

9th Printing, October 1992

 

RE/SEARCH PUBLICATIONS, 20 Romolo#B, San Francisco, CA 94133 (415) 362-1465

 

Printed in Hong Kong

BOOKSTORE DISTRIBUTION: Subco, PO Box 10233, Eugene OR 97440, (503) 343-6324, RECORD STORES: Rough Trade, 326 6th St., San Francisco CA 94103, (415) 621-4102. UK: Airlift, 14 Baltic St, London EC1 YOTB, UK (01) 251-8608. GERMANY: 235, Spichermstr. 60, 5000 Koln 1, W. Germany.

 

SUBSCRIPTIONS:  $30 for 3 issues ($40 air overseas / $46 Australia / Asia

 

Back Cover Photo: Peter Christopherson

Photos pp. 1 & 140: Bobby Adams / White Line Photography

 

CONTENTS

ISSUE #6/7

INDUSTRIAL

CULTURE

BOOK

 

Throbbing Gristle            - pg. 6

Mark Pauline                    - pg. 20

Cabaret Voltaire              - pg. 42

Non                                      - pg. 50

Monte Cazazza                - pg. 68

Sordide Sentimental      - pg. 82

SPK                                       - pg. 92

Z’ev                                      - pg. 106

Johanna Went                  - pg. 118

R&N                                      - pg. 128

 

Total de páginas: 142


INTRODUÇÃO

(de Jon Savage)

 Cultura Industrial - é um pouco tarde, você sabe. Simplesmente pensar em termos de "industrial" é, é claro, admitir que uma fase específica da atividade passou para os livros de história. Não me cabe julgar se o assunto constituirá uma mera nota de rodapé ou um capítulo pesado, mas o facto de que uma série de projetos diferentes, se relacionados, possam ser agrupados de forma genérica, indica assimilação e eventual substituição. Isso não quer dizer que as ideias individuais em questão perderam a sua validade: simplesmente as condições do diálogo entre “avant-garde” e “pop” - nas quais “industrial” foi uma intervenção breve e vigorosa - mudaram os parâmetros. O foco mudou do “underground” para o “mainstream”: os nossos problemas são muito prementes para permitir a guetização de possíveis novas soluções.

Lembre-se, se falamos de expressão como perturbação, então o termo "industrial" era bastante adequado ao mal-estar particular de nosso tempo. Considere o que disse Lewis Mumford:

“Entre 1820 e 1900, a destruição e a desordem nas grandes cidades são como as de um campo de batalha, proporcional à extensão de seus equipamentos e à força das forças empregadas. Agora, na nova província construída na cidade, é preciso ficar atento aos banqueiros, industriais e inventores mecânicos. Eles eram responsáveis pela maior parte do que era bom e quase tudo o que era mau. À sua própria imagem, eles criaram um novo tipo de cidade - aquela que Dickens, no Hard Times, chamou Coketown. Em maior ou menor grau, todas as cidades do mundo ocidental foram carimbadas com as características arquetípicas de Coketown. O industrialismo, a principal força criativa do século XIX, produziu o ambiente urbano mais degradado que o mundo já havia visto: até mesmo os quartos das classes dominantes estavam sujos e sobrelotados”(The City In History, 1961).

“A rua em que Gen e Cosey vivem é incessantemente sombria: moradias artesanais de 1850 - fachadas de tijolos sujos, feridas abertas esticam o comprimento da rua, quebradas apenas por uma ferrovia baixa, quase de forma matemática. Exatamente o tipo de rua em que você pode imaginar os assassinatos vitorianos do tipo mais cruel e cruelmente cometidos, e ninguém nunca se apercebe. Paralelepípedos, céu cinzento ... ”(Introdução à entrevista com Genesis P-Orridge, gravada em Novembro de 77, impressa em Search & Destroy, Abril de 78)“ O terraço do lado oposto pára no ar cinzento, denso de humidade, revelando vistas de fábricas, quarteirões de torres, infinitas semi-estampadas com padrões estreitos ... colinas à distância. Às vezes as fábricas trabalham à noite - o barulho pode ser ouvido em casa, filtrado através dos sonhos: monótono, percussivo, hipnótico. ” (Introdução à entrevista com Cabaret Voltaire, Search & Destroy, Junho de 78).

Na lacuna causada pelo fracasso da retórica apocalíptica do punk rock, o "industrial" parecia uma boa ideia. A concentração implícita do Punk, em sua forma mais pura, na teoria situacionista - o “tédio” da vida quotidiana e as imagens que preenchiam fanzines e livros de manga - graffiti, “cortes de bens de consumo dos anos cinquenta e o concelho bloqueiam fábricas da morte no sul de Londres ”- deixara a porta aberta para uma investigação ainda mais abrangente da decadência do capitalismo. Na atmosfera sobreaquecida de Londres em 1977, parecem 1984 (senão o Armageddon) apareceu em cada esquina; quando matrizes de óculos escuros escondiam paranóia clínica; quando o tecido da sociedade inglesa parecia ter-se desvendado, pelo punk rock, em tópicos cruéis de combates sectários, violência fascista e de esquerda nas ruas e crises financeiras; tudo parecia possível e realmente necessário. O punk, nessa altura, não havia ido longe o suficiente: o seu estilo havia se tornado uma pose, uma vitrine para embalagem e consumo através dos canais comerciais habituais. Algo novo era necessário: o que vinha lá?

Se o "industrial" foi o exame mais completo até agora do decadente ambiente inglês, tanto físico quanto psíquico, também foi uma reação muito completa contra o que o punk rock se havia tornado - bom e velho rock'n roll. Realmente, não havia opção. Em Novembro de 1977, três escritores, Jane Suck, Sandy Robertson e eu - como os três correspondentes "punk" da Sounds - foram solicitados pelo nosso editor a escrever um outro longo artigo sobre o Punk Rock Genérico - ou New Wave, talvez. Nós recusamos, obviamente.

Consultando as nossas próprias imaginações superaquecidas, pensámos independentemente na mesma coisa. A edição de 26 de novembro de 1977 da Sounds continha o plano para o que se tornou Industrial Genérico e mais: chamado "New Musick", continha peças sobre Eno, Devo, The Residents, Kraftwerk e, arquetipicamente, Throbbing Gristle. As setas eram apontadas à discoteca sintética de Giorgio Moroder, cujo "I Feel Love" havia sido um enorme sucesso de verão; o primeiro álbum Throbbing Gristle, Second Annual Report; Os Devo como os ouvi numa fita ao vivo do Mabuhay em San Francisco; e muitas fontes extra-musicais, particularmente William Burroughs e teoria dos cut-ups.

Por acaso, a nossa reação emocional, embora imperfeita nos detalhes, estava correta. A questão trouxe à tona muitas ideias que vinham flutuando nas categorias Performance Art ou Mail Art, que mais tarde se tornaram parte do jargão pop; os novos estilos promovidos pela frase “New Musick” sempre tiveram a intenção de fazer parte de uma reunião completa do pop e o que é chamado, numa frase que geralmente denota falta de senso e impotência cultural, “avant-garde”. “A insistente pulsação torna-os acessíveis a quem quer ouvir: Tesco Disco… As cortinas de vanguarda podem afastar as pessoas desnecessariamente. A caixa está na sua cabeça ...

Além do impacto na música popular, "New Musick" havia aberto a caixa de Pandora. Para fora voaram todos os tipos de ideias e mutações. Na Inglaterra, em 1978, elas foram melhor exemplificados pelos Throbbing Gristle, em Londres, e pelos Cabaret Voltaire, em Sheffield, que também estavam a beneficiar do prolongado regionalismo do punk. Esses dois grupos, em particular, usaram o espaço que lhes foi oferecido para desenvolver as ideias que eu, no meu purismo, preferiria chamar, por uma questão de argumentação, de "industrial". Estas incluíam:

1) AUTONOMIA ORGANIZACIONAL. A escolha de gravar para editoras próprias ou "independentes" foi parcialmente aplicada, mas principalmente voluntária. Consideraram que as principais editoras estavam contaminadas e eram desnecessárias. Este período viu a ascensão da rede “independente” ao seu pico de 1980: algumas editoras independentes como a Mute e Some Bizarre - que tocam em ideias “industriais” – ainda hoje têm um sucesso comercial considerado impossível seis anos atrás.

2) ACESSO À INFORMAÇÃO. Naquele momento, a frase “Guerra da Informação” - significando que a luta pelo controlo não era agora territorial, mas comunicativa - entrou em uso comum. Com o acesso limitado disponível, os Throbbing Gristle e os Cabaret Voltaire estenderam, tanto quanto possível, os preceitos de Burroughs sobre controlo para os média populares - os primeiros em particular, como disseminadores de informações e propagandistas por excelência. Por exemplo, o Industrial News [um periódico] contonha todo tipo de detalhes sobre técnicas de controlo, entre informações e listas mais convencionais. A revista francesa Sordide Sentimental produziu embalagens / produtos que, num feliz casamento de forma e conteúdo, continham exemplos notáveis de música "industrial" e afiliada - como "Dead Souls" da Joy Division - aliados a tratados filosóficos e espirituais detalhados e iluminados, muitas vezes escritos por Jean-Pierre Turmel ou Yves von Bontee. Dessa maneira, a música era a chave para um nível de informação e discussão que não existia anteriormente nessa arena. Toda a espécie de tabus foram examinados abertamente; controlo, numa pequena esfera, e desafiados.

3) USO DE SINTESIZADORES E ANTI-MÚSICA. Isto é auto-explicativo. Embora a música fosse o meio para um fim, e não o fim em si, ainda havia a necessidade de combinar a forma com o formato. Neste, o Second Annual Report dos Throbbing Gristle (1977), com sua dependência de sintetizadores e sons não musicais, foi prototípico. A predileção do Punk por ruído amplificado - assim como trabalhos como "Loop" ou "Sister Ray" - foi refinada para uma nova abordagem da "música". Esse desenvolvimento foi tomado (e ainda está sendo realizado) em toda a sua extensão pelo trabalho profundamente perturbador e assustador de certos artistas "industriais", cujos registos ocasionais fornecem talvez a banda sonora verdadeira para o último quarto do século XX.

4) ELEMENTOS EXTRA-MUSICAIS. Muito disto vem em "Acesso à informação", mas há mais. Introdução de elementos literários de maneira completa - em oposição ao típico diletantismo pop -: a dívida total ficou clara apenas muito depois do “Industrial” ter passado, na Final Academy, realizada em Londres em Outubro de 1982. Outro elemento foi o uso de filmes e vídeos, simultâneos com a performance musical; este último é talvez o mais relevante, pois a televisão torna-se um agente de controlo muito mais poderoso do que a música popular. Tanto os Cabaret Voltaire quanto os Psychic TV, para citar alguns, estão produzindo a sua própria televisão e se concentrarão nessa área cada vez mais.

5) TÁTICAS DE CHOQUE. Uma técnica usada ao longo do tempo para garantir que o que você tem a dizer seja notado. Perdido pela reação da imprensa aos aspectos mais superficiais dos TG e dos CV (e também na reação do público, como em datas separadas, eu vi os dois grupos forçados a interromper uma performance por causa da violência do público contra eles: o verdadeiro sucesso da arte performática!) Foi a percepção industrial - realizada mais fielmente pela etiqueta Industrial - de autodeterminação e autocontrolo ... para citar apenas alguns.

Já deve ter notado que a situação mudou entretanto. Como no punk rock, muitas das preocupações "industriais" demonstraram ser verdadeiras: actualmente, a arte não pode competir com a "vida". Muitas das vertentes isoladas pela primeira vez há cinco ou seis anos foram totalmente absorvidas, na medida em que o termo “industrial” é agora obsoleto e inútil, excepto como exemplo. Poderá ouvir excertos reproduzidos livremente no rádio, na popular música "scratch" e "rap"; Poderá ainda ouvir grupos com sintetizadores no topo dos tops americanos. Os sentimentos apocalípticos de 1977 e 1978 esgotaram-se: o que os substituiu é uma determinação mais sombria de transformar esse desespero numa ação positiva, na nossa fotografia das profundezas do declínio. O contexto mudou: o pop não é agora o mais importante; temporariamente, a televisão é. É aí que a próxima batalha da Guerra da Informação está sendo travada.

- Jon Savage, Londres 1983








































7.5.20

WIRE #323 (aspectos) - Stephen Thrower on Peter Christopherson


Stephen Thrower on Peter Christopherson

(Stephen Thrower pays tribute to the Throbbing Gristle and Coil founder who died in November 2010)





5.5.20

WIRE #332 (aspectos) - Chris & Cosey Jukebox -


WIRE #332
(aspectos)

332

Out. 2011

Christian Marclay

Hieroglyphic Being

Bill Orcutt

Militant tuning, From JS Bach to La Monte Young

Raime

Shabaka Hutchings

Ed Atkins

(cross plataform)

Sun Araw in Jamaica

Chris & Cosey

(by Mike Barnes)

- The Primer: Militant tuning – A field guide to the war on equal temperament, from Bach’s Well-Tempered Clavier to La Monte Young’s Well-Tuned Piano. By Philip Clark.

- Collateral Damage: Robin Rimbaud aka Scanner celebrates social networking for pleasure and profit.

- Global Ear: Portmore – Jamaica

- Epiphanies: How performance artist Anat Ben-David found liberation through improvisation with Kaffe Matthews, Chicks On Speed, Eddie Prévost and more.


Destaques:

Chris & Cosey - Invisible Jukebox
(by Mike Barnes)
+
- The Primer: Militant tuning – A field guide to the war on equal temperament, from Bach’s Well-Tempered Clavier to La Monte Young’s Well-Tuned Piano. By Philip Clark.
+
Robin Rimbaud aka Scanner celebrates social networking for pleasure and profit.


Fica aqui a capa, a contracapa e as 4 páginas do Invisible Juke box com Chris & Cosey

(se fizer o download / gravação das imagens e depois fizer zoom, acho que se consegue ler bem... Se não conseguirem, enviem um email que eu envio as imagens com melhor resolução))






Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...