follow me on Twitter

Post Aleatório

A Carregar...
Gadget by The Blog Doctor.

20.5.14

Livros sobre música que vale a pena ler (e que eu tenho, lol) - Cromo #47: Nicolas Collins - "Handmade Electronic Music: The Art Of Hardware Hacking"


Autor: Nicolas Collins
título: Handmade Electronic Music: The Art Of Hardware Hacking
editora: Routledge - Taylor & Francis Group
nº de páginas: 340
isbn: 978-0-415-99873-4
data: 2009: Second Edition - DVD included

1ª edição, de 2006



sinopse: 

"Nicolas Collins quer estragar o teu leitor de CDs"
- Wired Magazine
"O livro de Nic Collins passa o testemunho da electrónica feita em casa à próxima geração de músicos experimentalistas. Fornecendo recitas práticas e engraçadas para aventuras sónicas, introduz, em simultâneo, o leitor no passado e presente campo da arte sonora electrónica."
- Chris Brown, Mills College Center for Contemporary Music
"Este é um livro terrífico, único e muito necessário; Quem me dera tê-lo obtido há cinco anos."
- Dan Trueman, Princeton Laptop Orchestra, Princeton University
"O livro mais radical sobre música que li até agora neste ano. Este texto, liberto do jargão, oferece uma alternativa fresca aos instrumentos habitualmente premiados pelo negócio da música."
- Christopher Delaurenti, The Stranger, Seattle

Handmade Electronic Music: The Art of Hardware Hacking disponibiliza, uma introdução cativante, prática, e há muito necessária, à realização artesanal - assim como à canibalização criativa - de circuitos electrónicos com intuitos artísticos.
Com um sentido de aventura e sem qualquer conhecimento à priori, o leitor pode subverter as intenções com que os dispositivos foram projectados, como por exemplo rádios e brinquedos electrónicos, para descobrir um novo mundo sonoro. Num tempo em que os computadores dominam a produção musical, este livro oferece um raro vislumbre do coração tecnológico da mais pioneira música electrónica ao vivo, assim como os mais recentes desenvolvimentos às mãos de artistas emergentes. Para além de ensinamentos e conselhos sobre como "hackear" dispositivos electrónicos do dia-a-dia, o leitor aprende como fazer microfones de contacto, captadores de campos electromagnéticos, caixas de distorção, e estranhos processadores de sinais, de forma rápida e barata.

Esta segunda edição, revista e expandida, é extensivamente ilustrada e inclui um DVD com 87 vídeoclips e 20 faixas áudio de cerca de 100 hackers, adaptadores, músicos, artistas, inventores, de todo o mundo, assim como 13 tutoriais em vídeo demonstrando projectos que fazem parte do livro. Outras peças estão presentes no livro, tais como projectos adicionais, fotografias, diagramas, e ilustrações.

Nicolas Collins é um activo compositor e performer de música electrónica, trabalhou com John Cage, Alvin Lucier, David Tudor, e muitos outros mestres da música moderna. O Dr. Collins é Professor of Sound at The School of the Art Institute of Chicago, e tem conduzido vários workshops em hacking por todo o mundo. Foi Visiting Artistic Director of STEIM (Amsterdam) e um DAAD compositor-residente em Berlim. Desde 1997 é também editor-chefe do Leonardo Music Journal.
introdução:
Este livro ensina-vos como se divertir com a electrónica. É um guia para a transformação criativa de tecnologia electrónica de consumo, usando-a duma forma alternativa. Vivemos num mundo de corta-e-cola: Ctrl-X e Ctrl-V dão-nos a liberdade de rearranjar palavras, imagens, vídeos, e som, de transformar qualquer coisa antiga na nossa nova coisa, duma forma extremamente fácil. Mas, em grande medida, este é também um mundo "off-line", cujas ferramentas digitais, tão poderosas como são, são mais adequadas a preparar textos, álbuns de fotos, filmes, e CDS, em privado, em vez de em palco. Estes dias de "música electrónica ao vivo" parecem ter hibernado, com a sua tranquila contenção, apenas perturbada de vez em quando por um ocasional e discreto clique de rato.
A minha geração de compositores vem de uma época anterior à do computador pessoal, dum tempo em que os instrumentos electrónicos eram tão caros que apenas as estrelas de rock e as universidades os podiam comprar, mas cujos blocos construtivos (circuitos integrados) eram muito baratos e quase facilmente compreensíveis no seu modo de funcionamento. Uma pequena, jovial (se masoquista) banda, nós presumimos que podíamos fazer-nós-próprios. Mergulhámos num jargão misterioso de revistas de engenheiros, coçámos as nossas cabeças, trocámos esquemas, bebemos mais uma cerveja, e combinámos juntos circuitos electrónicos separados à partida, em casa - muitos deles excêntricos e desleixados o suficiente para dar a um engenheiro uma verdadeira dispepsia. Estes instrumentos electrónicos folclóricos tornaram-se no cartão de visita de uma geração perdida de compositores que emergiram então em meados dos anos 70, depois de John Cage, David Tudor, e David Behram, e antes dos Oval, Moby e Matmos. Nos finais dos anos 70 os microcomputadores que evoluíram depois para Apples e PCs emergiram do zumbido inicial em Silicon Valley, e muitos de nós pusemos de lado os nossos ferros de soldar e começámos a codificar, mas o circuito esquisito continuava a saltar na nossa memória e mãos de vez em quando, funcionando como uma especiaria analógica que tornava mais apetitosa a refeição digital.
Os computadores são fantásticos, não me entendam mal, mas a interface usual - um teclado ASCII e um rato - é desajeitada e incómoda, e torna o acto de actuar em público uma actividade muito indirecta, como tentar abraçar um bebé numa incubadora. "Controladores Alternativos" (tais como os realizados por Donald Buchla e artistas a trabalhar no STEIM) deram um passo na direcção certa, mas por vezes é simpático chegar mais perto e "tocar" o som. Este livro tira o bebé para fora da banheira e larga-o, nu e a gorgolejar, nos teus braços prontos, pedindo para lhe pegar.
O foco é no som - fazer instrumentos que se possam tocar em público, ajudas à gravação e fazedores de ruído estranhos - mas alguns dos projectos têm também um forte componente visual. Não é assumida qualquer experiência em electrónica, e o objectivo é que qualquer um de vós possa começar a fazer e obter sons o mais rapidamente possível.
Depois de aprender algumas capacidades básicas de soldadura, poderá meter mãos à obra e fazer uma variedade de dispositivos audíveis, microfones acústicos, microfones de contacto, bobinas para apanhar ondas electromagnéticas, cabeças leitoras de fita magnética. Depois colocará as mãos sobre esses componentes/circuitos e modificará brinquedos electrónicos baratos e outros circuitos que encontrará por todo o lado - o coração e a alma do hacking de circuitos electrónicos. Também aprenderá a construir alguns circuitos a partir do zero: simples mas robustos osciladores que podem ser controlados através de uma série de dispositivos (luz, botões, reguladores, interruptores), e combinados para criarem texturas electrónicas ricas a um custo e dificuldade mínimos. Com a confiança entretanto adquirida, continuará com circuitos para amplificar, distorcer, cortar e manipular das mais variadas formas qualquer som, seja ele electrónico na sua origem ou não: guitarras eléctricas, vozes amplificadas, CDs, rádio, som ambiente, etc. Depois partirá para projectos em que se ligará som com material visual, e alguns circuitos "cola" convenientes para juntar várias partes para exibição simultânea, gravação, ou interface para computadores. Há vários apêndices que o encaminham para uma série de fontes e outros recursos informativos. Onze barras laterais "Art & Music", numerosas ilustrações, e um DVD colocam a tecnologia numa perspectiva histórica e estética: mais de 100 hackers, modificadores (benders) músicos, artistas e inventores de todo o mundo estão representados no texto, ilustrações, faixas áudio e vídeoclips.
Na selecção que fiz dos projectos a incluir neste livro tive em consideração uma mão cheia de assunções e finalidades:
1. Mantê-lo vivo. Todos os projectos deste livro são alimentados por pilhas; nenhum precisa de ser ligado à tomada. Isso torna os primeiros passos da actividade de mexer em circuitos electrónicos de uma forma não supervisionada, muito mais seguro, e menos assustadora para o principiante.
2. Manter as coisas simples. Trabalhamos com um número pequeno de circuitos e conceitos "axiomáticos" muito simples, que podem ser depois combinados com um factor de permutabilidade muito grande e rico, à maneira que progride e ganha experiência, mas que são fáceis de compreender e rápidos de construir logo no princípio. O ponto essencial é fabricar sons frescos e simpáticos (cool) o mais rapidamente possível.
3. Manter as coisas baratas. Limitando-nos a uns poucos projectos nucleares, minimizamos a quantidade e custo dos componentes necessários para completar este livro. Não precisará de um laboratório electrónico completo, apenas um ferro de soldar, umas poucas ferramentas manuais, e cerca de 50€ de componentes que pode encomendar facilmente online. Focando-nos nos brinquedos e outros artigos electrónicos simples e comuns também minimizamos a ameaça de "perdas catastróficas" nos tempos iniciais de um principiante.
4. Manter tudo estúpido. Encontrará aqui um mínimo absoluto de teoria. Aprenderemos a projectar de ouvido, não a olho, eliminando instrumentos de teste sofisticados ou textos de engenharia. Ignorância é felicidade, por isso goze-a.
5. Perdoar e esquecer. Não há uma "maneira certa" para o hacking. Tentarei afastá-lo de colapsos, mas incluí projectos que são robustos, perdoando-me de erros de escrita e aceitando uma vasta gama de componentes substitutos se não tiver o componente indicado. A maioria destes circuitos são pontos de partida, a parir dos quais pode depois projectar e construir muitas variações sem qualquer tipo de ajuda - se gostar de hackear, deixe-se ir de forma livre e espontânea.
Como resultado desta linhas mestras, este livro é pois uma introdução não normalizada à engenharia electrónica. Muitas das matérias de um curso de electrónica básica, tais como estudo do transístor e a admissivelmente útil pequena coisa chamada ampop, são deixados de fora e nem sequer mencionados. Depois de ter lido a última página, você emergirá mais conhecedor, apesar desse conhecimento ser estranho, do que quando pegou no livro pela primeira vez. Terá adquirido algumas capacidades raras, e algumas que lhe serão preciosas na perseguição da criação de sons não muito comuns. Terá ainda muitas coisas para aprender, espaços de conhecimento para ocupar, mas esses espaços podem ser preenchidos através de uma forma menos estruturada através de recursos e textos que encontrará online (como descrito nos apêndices). E tudo o que seja electrónico que decida fazer será fácil, prometo. Porquê? Porque já não terá medo. Terá sim a confiança para ultrapassar aquelas etiquetas "Não deve abrir e mexer, é perigoso" com um sorriso. Será então um hacker de circuitos electrónicos produtores de som.

Notas à Segunda Edição (esta)
Esta segunda edição, expandida e revista de Handmade Electronic Music inclui novos projectos, um DVD, e muitos mais exemplos de trabalhos de artistas. O processo de revisão beneficiou da experiência e feedback obtidos nos últimos anos. Depois de ter submetido o primeiro manuscrito em 2005, ministrei perto de duas dezenas de workshops e cursos utilizando o livro como texto base, e o feedback que recebi dos estudantes e assistentes foi incalculável. Além disso, os curtos 3 anos, a tecnologia mudou o suficiente para tornar algumas partes do livro pitorescas, se não obsoletas. E, talvez mais importante, os encontros que mantive com numerosos praticantes no campo em expansão da música electrónica feita à mão contribuíram grandemente para o conteúdo artístico e contexto do texto.
As mudanças mais significativas operadas da primeira para a segunda edição foram:
. Correcções de erros que se encontravam na primeira edição, assim como revisões onde os componentes se tornaram obsoletos, mudaram de preço ou fornecedor, etc. Muitos dos URLs e outras referências na secção de Notas e Referências e também nos Apêndices foram actualizadas.
. Clarificação de algumas secções do texto original. Os projectos neste livro cresceram antes de serem ensinados, e alguns beneficiaram de comentários que acrescentei na sala de aula para compensar os lapsos da primeira edição. Similarmente, esquemas e fotos foram acrescentados para ilustrar pontos que me levaram ao quadro quando as palavras se revelaram inadequadas e insuficientes no processo de explicação.
. Revisão dos esquemas. Tratámos a maioria das fotos de forma a aumentar-lhe a resolução dos detalhes críticos de um circuito. Os layouts mais complexos de breadboards froam redesenhados como linhas de desenho, assim como os desenhos/esquemas que são novos nesta edição.
. Uma maior presença de trabalho de artistas. Inclui mais fotos e descrições de realizações físicas dos vários projectos do livro, feitos por muitos hackers, benders e ex-estudantes, tanto quanto os consegui persuadir a contribuir. As barras laterais, que acrescentam uma perspectiva do mundo real às discussões ocasionalmente mais técnicas e abstractas do texto principal, foram também aumentadas, e um novo capítulo foi adicionado fornecendo uma visão geral de desenvolvimentos recentes nos campos da música e da arte feita a partir de circuitos electrónicos artesanais. O DVD que acompanha a edição inclui uma extensiva galeria de trabalhos de artistas (ver abaixo).
. Novos projectos e esquemas. Em resposta a pedidos dos estudantes, e por tédio ou curiosidade da minha parte, acrescentei um certo número de novos projectos ao livro. Embebidos na estrutura original dos capítulos do livro original, eles podem não ser logo notados à primeira por todos aqueles que leram a primeira edição. As principais adições são:
. opções de ligação fantasma de potência e estéreo para microfones de eletreto;
. uma saída em onde triangular melodiosa dos nosso osciladores básicos CMOS, para complementar os habituais e mais abrasivos provenientes das ondas quadradas;
. filtros de varrimento;
. um seguidor de envelope com aplicações em portas de ruído, expansores, compressores, e baterias sintetizadas de Disco;
. um circuito rastreador de rotações;
. um versátil sequenciador;
. fontes de alimentação alternativas, incluindo pilhas solares, batatas, e geradores simples;
. mais variantes de muitos circuitos básicos, descritos em detalhe.

Escolhi, contudo, aderir à filosofia de design do livro original, limitando-me a presentar aqueles circuitos que podem funcionar com uma simples pilha ou bateria, ser perdoado por alguns erros, abraçar a variação extensiva, e combinar, tipo lego, os circuitos uns com os outros. Continuo a basear-me largamente na peculiar aplicação ad-hoc dos circuitos digitais CMOS, e assim consegui evitar introduzir ampops, transístores, e vários outros componentes comuns. Prefiro cobrir projectos não frequentemente encontrados em lado nenhum, quer em livros quer online.
. Um DVD. A primeira edição do livro incluía um DVD áudio com 20 faixas, contribuição de músicos e artistas sonoros de todo o mundo. Essas faixas não eram meros "exemplos de som" de projectos do livro, mas peças musicais reais de música que usava os mesmos dispositivos ou similares, tais como os que criamos e explicamos no texto do livro. Impressionado pela proliferação de instrumentos provenientes de hacking e bending no Youtube, decidi incluir um DVD na nova edição. O DVD está dividido em três partes:
- Demonstrações vídeo feitas por mim, de 13 projectos do livro. Uma excelente forma de iniciação se não se sente confortável através apenas da leitura do texto e não acontecer que eu possa dar um workshop na sua cidade.
- Uma galeria de 87 vídeoclips por uma pletora de artistas, ilustrando os seus instrumentos e actuações. Foram seleccionados através das respostas dadas por um pedido de submissão que fiz internacionalmente. Cada clip estava limitado a 60 segundos de duração máxima; a hora e meia que resultou dá-vos uma visão geral muito boa do que está a acontecer por estes dias (verão de 2008) no campo que abordamos da música electrónica artesanal.
- Os ficheiros áudio do CD original da primeira edição.

Seis anos após sucumbir à pressão dos estudantes para apresentar um curso no qual eu então reparei tratar-se de uma idiossincrática e, de certa forma, anacrónica, era passada de interesse geral dúbio, descobri que o livro continua a ser popular numa vasta e diversa gama de leitores. Ele foi abraçado por leitores da Wired, Computer Music Journal, e Tape Op, só para citar alguns; por assistentes de Festivais de Bending, Feiras de Artesanato, e conferências NIME. Foi adoptado como livro em universidades de todo o mundo, desde os Estados Unidos e Inglaterra, até ao Japão, Nova Zelândia, e Austrália - algumas universidades até desenharam novos cursos baseados no livro. Espero que as correcções e actualizações, os projectos adicionados e as ilustrações e o DVD sirvam para expandir o apetite e a crescente utilidade do livro. Queixas e cumprimentos são bem-vindos.

Nos próximos posts colocarei alguns dos vídeos que acompanham o livro, para além de outros vídeos correlacionados. Happy Bending!




Sem comentários:

Posts Relacionados

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...