follow me on Twitter

Post Aleatório

A Carregar...
Gadget by The Blog Doctor.

8.1.17

Memorabilia: Revistas / Magazines / Fanzines (270) - Blitz - Jornal Musical


BLITZ 
(Jornal Musical)
Ano IX
Nº 436
09 de Março de 1992
Sai às Terças-Feiras
Director: Rui Monteiro
Preço: 100$00
40 páginas
Capa e algumas páginas interiores a 3 cores, outras a preto e branco.
Suplemento Manifesto (?Mensal?) de 4 páginas. Ver abaixo autoria do mesmo, na ficha técnica



Ficha Técnica (parcial)
Redacção, administração e serviços comerciais: Av. Infante D. Henrique, 334, 1802 Lisboa
Director: Rui Monteiro
Chefe de Redacção: António Pires
Redacção:
Cristina Duarte
Miguel Francisco Cadete
Nuno Galopim
Raquel Pinheiro (Porto)
Rita Carmo (Fotografia)
Direcção Gráfica:
Cândida Teresa
Colaboradores:
Adágio Flor
Álvaro Romão
André Lepecki (Nova Iorque)
António Freitas
António Maninha
António Pedro Saraiva
Bruno Branco
Bruno Maçães
Diniz Conefrey (ilustração)
Fátima Castro Silva (Porto)
Fernando Santos Marques
Gimba
Hélder Moura Pereira
Hélder Salsinha (fotografia)
Hugo Moutinho (Porto)
Isabel Lucena (Londres)
João Correia
João Bugalho
José António Moura
José Antunes
Lili Wilde (Londres)
Luís Mateus
Luís Pinheiro de Almeida
Maria Ana Soromenho
Maria Baptista
Maria João Gouveia
Mário Correia
Miguel Cunha
Miss Ex
Monsieur Sardin
Paulo da Costa Domingos
Paulo Somsen
Pedro Esteves
Pedro Portela
Rafael Gouveia (Paris)
Rui Eduardo Paes
Sérgio Noronha
Sofia Louro
Teresa Barrau
Vítor Vasques (fotografia)

Manifesto (suplemento):
Ana Cristina
António Sérgio
Nuno Diniz
Jorge Lima Barreto
Manuel Dias

Tiragem média do mês anterior: 19 290 exemplares

Tal como disse aqui, este é um número de um período posterior em cerca de três anos e que cai naquela fase que então cataloguei como a segunda decadência, quicá o início dela, quiçá a última...
O Director continua a ser o mesmo (Rui Monteiro), alguns colaboradores são de qualidade (ver lista abaixo), mas já não era a mesma coisa. E fico-me por aqui.
Curiosamente, apesar da deriva mainstream a tiragem média decresceu.



VÁRIOS
«GÁRGULA MECÂNICA»



Constituindo, à primeira vista, mais um esforço alternativo de penetração no limitado mercado português, «Gárgula Mecânica» (e várias colectâneas nacionais antes dela) sabe que a confiança comercial poderá ser depositada apenas no estrangeiro. As dezassete bandas, de doze países, atingirão em Portugal círculos restritos em nada representativos da proliferação que a Techno dita alternativa tem sofrido.
Os cabeças de cartaz ClockDVA e Pankow (estes com a enésima versão de «Touch», um excelente original de 88) empalidecem um pouco perante certas comparações: os DRP (Japão), como um «Psychotherapy» imaginativo, ritmicamente próximo dos Nitzer Ebb de outrora mas permitindo curiosos breaks... experimentais?...; os Spartak (Suiça), com um «Racist / Asshole» mais core do que techno; os Finitribe (Escócia), ainda recorrendo aos cartoons da Warner num «101» sub-pop electrónico extremamente sofisticado; os Croniamantal (Portugal) – sempre entre os melhores pedaços nas colectâneas em que participam – injectando complexidade num «Erat» poderoso.
Nenhum outro propósito além da divulgação pura é detectável no disco, implicando o apoio essencial em grupos grandemente desconhecidos. O nível qualitativo daí resultante não é necessariamente baixo, mas em «Gárgula Mecânica» são apenas pontuais os rasgos de génio, reflectindo um panorama techno vasto, sim, mas um tanto incipiente. No entanto, a maioria dos grupos presentes oferecem a garantia de alguma notoriedade no circuito internacional, cabendo aos ouvintes confirmar ou desmentir esse facto.
A (sub)cultura cyberpunk tem aqui alguns representantes capazes de subverter certas mentes. A segurança no risco nunca é garantida, o que teoricamente deveria aumentar a excitação.
(CD, Simbiose 1993)
J.A.M.

NON
«IN THE SHADOW OF THE SWORD»



Os anos passam mas a dureza de Boyd Rice (sob a sigla NON) parece ser algo com que podemos contar para o infinito. Se os seus últimos discos apresentam uma maior suavidade ao nível da agressividade sonora, com especial destaque neste capítulo para Boyd Rice & Friends no álbum «Music, Martinis & Misantrophy», ao nível dos textos, a mística da descrença total e o rumo do contra-tudo-e-contra-todos (sociedade em geral) aparecem como instituições ligadas à própria existência filosófica de Rice, cuja violência das palavras supera tudo e todos.
«In The Shadow Of The Sword» divide-se à partida em duas partes: os primeiros dois terços englobam um concerto gravado em Osaka, no Japão, retirados de uma pequena digressão oriental realizada em conjunto com os Death In June, corria o ano de 1989.
Estes temas contaram com a colaboração lógica em palco de Douglas P. e Rose McDowall (D.I.J.) e também de Tony Wakeford (Sol Invictus), que deram à toada electrónica e ao tom discursivo de Rice, complementado pelos habituais samples, uma dimensão superiormente diferente ao nível das percussões e da sua rítmica guerreira.
Curiosamente, nos restantes temas deste disco, cuja segunda parte já foi gravada em estúdio nos EUA mais recentemente, a sonoridade e estética musical pouco se afasta dos temas registados em palco, excluindo obviamente aqui a ausência das percussões, o que torna este produto num todo sonoro extremamente unificado. O som continua denso, aprentemente e premeditadamente pouco trabalhado, tal como ao vivo, e a voz de Rice mantém-se terrível e profética, por cima de um bloco concreto de electrónica eternamente por lapidar.
«Eu tenho um sonho... E como se tornará esse sonho realidade?». A resposta arrepiante de Boyd Rice continua em «A World On Fire» deste «In The Shadow Of The Sword». Em horror escrito e cantado, só talvez Michael Gira, dos Swans, esteja à altura deste senhor!
(CD, Mute, 1992 – dist. Edisom)x

LAIBACH
«KRST POD TRIGLAVOM-BAPTISM»
VÁRIOS
«FUTURISM & DADA REVIEWED»





As reedições em CD têm destas maravilhas! Discos de vinil nos quais a agulha já só quase conseguia ler ruídos e estalidos avulso, podem agora ser disfrutados nas maravilhas do digital, cuja frieza de leitura é perfeitamente perdoada perante uma limpeza sonora antes julgada impossível.
«Krst Pod Triglavom-Baptism» só não é o melhor disco de sempre dos Laibach porque estes editaram alguns outros de quilate semelhante, mas deveria estar no coração de todos nós, ou seja, na prateleira ao lado de «Nova Akropola» ou de «MacBeth». «Krst Pod...» é um clásico da estética sonora de índole militarista em cujo regime de prepotência estilística se conceberam peças sonoras de beleza incomparável. Entre um fascínio sonoro de pompa ditatorial e um classicismo de património mundial, os Laibach, sempre perdidos nas suas referências de uma Jugoslávia ainda unificada pela força, recreiam-se musicalmente com música que também serve de base aos delírios teatrais do Theater Scipion Nasice» e ao nosso encanto pessoal. Uma obra de arte total!!
Outro clássico, mas de índole completamente diferente, é «Futurism & Dada Reviewed», cujo carácter documental o torna à partida consumível de uma outra forma. Esta compilação, em cujo próprio disco se aconselha a que este seja arquivado na secção de discursos e documentos históricos, traz-nos unicamente gravações históricas, recuperadas geralmente a discos de 78 rpm, dos anos 20 e 30 deste nosso século.
Fascinados pelo estranho mundo novo das máquinas, pela produção em série e pela dinâmica e rapidez e de uma nova forma de vida citadina, os futuristas, comandados pelo visionário Marinetti, imaginaram para nós um novo mundo (lembram-se do Metropolis de Fritz Lang) expresso em manifestos e formas de arte diversas, onde tudo é novo, desde a arquitectura até à música, e a tradição renegada e esquecida. E é tudo isso que este disco simplesmente nos faz reviver e imaginar.
À própria «definizione di futurismo», discursada por Marinetti, entre experiências musicais do mesmo, acrescentam-se outras dos irmãos Russolo, que já trabalhavam o ruído das máquinas numa primeira manifestação de música industrial, e ainda peças de Apollinaire, Cocteau ou Marchel Duchamp, alternando entre o discurso falado e experiências sonoras da época. É o Futurismo na essência dos outros «ismos», como o Cubismo, o Dadísmo, o Surrealismo ou o Modernismo, ou seja, todas as manifestações de arte do princípio do nosso século, desde o Cabaret Voltaire à Zang Tumb Tumb.
Dois discos imprescindíveis em qualquer discoteca inteligente!
(CDs, Sub Rosa – imp. Ananana)
João Correia





Sem comentários:

Posts Relacionados

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...