follow me on Twitter

Post Aleatório

A Carregar...
Gadget by The Blog Doctor.

4.12.12

"Zeuhl" - Parte 4: "O Zeuhl à Volta do Mundo", secção 4/9: Itália


Parte 4 – O Zeuhl À Volta Do Mundo

Nota: Como o Zeuhl é um conceito tão abstracto, recomendamos vivamente que, antes de ler este artigo, leia os anteriores (partes 1 a 3). Depois, então, pode ser que tudo faça mais sentido.

Nos três anteriores artigos você leu, sem dúvida, tudo o que há para saber sobre o Zeuhl, e se este for um tema de interesse para si, certamente que os leu com atenção redobrada.
No anterior vimos o legado do movimento e, reparámos, entre muitas outras coisas, que o Zeuhl permeou também o RIO, para além de outros movimentos.
Mas... e no mundo? Bem, você conseguirá encontrar referências Zeuhl nos lugares mais improváveis, e existem inúmeras dedicatórias bizarras ao espírito dos Magma, à linguagem Kobaia e ao Zeuhl em geral. Neste artigo vamos tentar destilar o interessante e o curioso, numa qualquer forma de viagem coerente, ao longo do globo.


Itália


Os Banco foram a primeira banda italiana a atacar algo que se assemelhe ao Zeuhl, apesar de eu pensar que foi uma coincidência que os seus álbuns instrumentais tenham uma utilização similar do estilo percussivo do piano como Stravinsky e influências jazz e clássica, versão mais dark. Aproximando-se mais tivemos os Nome, que apenas editaram um single (tanto quanto sabemos) que era uma mistura bizarra de RIO, Zeuhl e prog operático.
A música Zeuhl mais notável oriunda de Itália apareceu nos últimos 10 anos ou coisa do género. Os Stick & String Quartet pegaram no lado de música de câmara do Zeuhl (territótio dos Art Zoyd e Juleverne) e trabalharam-no de forma a tornarem-no uma estilo ágil original. Os Kraken In The Maelstrom misturam todas as formas de influências e juntam-nas numa mistura improvável e complexa de Zeuhl, Van Der Graaf Generator e prog italiano dos anos 70. Os mais prolíficos foram os Runaway Totem, uma banda realmente peculiar, tipo Magma em espírito, que mistura estilos hard-rock, jazz, e ópera até! As suas vocalizações são um tipo de Kobaian zombeteiro, e não são plagiadores, pois há muito mais influências a trabalhar na sua m+usica, como o avant-rock italiano, RIO e clássica, parecendo-se por vezes com os Birdsongs of The Mesozoic. Acalmaran-se um pouco com cada nova edição, mudando o foco como os muito mais dark e estranhos Universal Totem Orchestra.



Kraken In The Maelstrom – EMBRYOGENESIS (CD: Mellow MMP 165) 1993
Nome – Marte Alla Volta / Trine (7”: GN 001) 4+9/89 1990
Runaway Totem – ZED (CD: Black Widow BWRCD 013-2) 1996
Runaway Totem – ANDROMEDA (CD: Musea FGBG 4299.AR) 199?
The Stick & String Quartet – THE STICK & STRING QUARTET (CD: Kaliphonia KRC 005) 4/92+4/93 199?
Universal Totem Orchestra – RITUALE ALIENO (CD: Black Widow BWRCD 022-2) 2000






Sem comentários:

Posts Relacionados

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...