follow me on Twitter

Post Aleatório

A Carregar...
Gadget by The Blog Doctor.

24.2.17

DN - Série: Discos Pe(r)didos (2)


DN - Diário de Notícias


Discos pe(r)didos



Juntamente com os Heróis do Mar, os GNR foram um dos grupos mais prolíficos da cena pop/rock portuguesa de 80. Prolíficos não só em nome próprio, mas também como troncos de árvores genealógicas que cresceram dos elementos ligados às duas bandas, quer em carreiras paralelas ou em caminhos a solo depois da separação da «nave-mãe».
Comecemos por recuar a 1979, ano no qual o grupo nasce quando Vítor Rua (ex King Fischer’s Band) começa a ensaiar com Alexandre Soares (ex-Pesquisa), Tóli César Machado e Mano Zé. Em 1980 assinam pela Valentim de Carvalho, editora para quem se estreiam, já em 1981, com o single Portugal na CEE. Alexandre Soares é, então, guitarrista e vocalista. Mano Zé deixa, entretanto, a banda, que fica reduzida a um trio, o mesmo que grava o segundo single, Sê Um GNR, lançado ainda em 1981.
Vítor Rua foi, dos elementos do grupo, o primeiro a encetar uma carreira paralela, editando CTU, nos Telectu, ainda em 1982. Deixa os GNR pouco depois, abrindo então um caso de disputa jurídica pela posse do nome da banda, que se estenderá durante anos, até ao cachimbo da paz, que acontece apenas em meados de 90, quando é editada a compilação Tudo O Que Você Queria Saber: O Melhor dos GNR. Até lá continua a editar regularmente, com os Telectu. Grava ainda o álbum Pipocas (1986), Clássicos GNR (1989) e Mimi Tão Pequena e Tão Suja (como Pós-GNR, em 1991).
Alexandre Soares, que sai do grupo entre 1982 e 83, participa nos quatro primeiros álbuns de originais dos GNR. Deixa, contudo, o microfone a Rui Reininho (que surge como vocalista em Independança, álbum de estreia em 1982). Depois de Psicopátria decide, contudo, afastar-se definitivamente. É então que enceta uma brevíssima carreira a solo, que se materializa em apenas um álbum: Um Projecto Global.
Um simples olhar pelas duas fotos que se apresentam na capa interior do álbum indiciam o cenário no qual nasceu: a própria casa de Alexandre Soares. Numa espécie de antevisão do conceito de home recording, as canções, nas quais se torna evidente o porquê da vontade em sair dos GNR, foram pensadas, tocadas e gravadas numa sala, pelo próprio Alexandre Soares (pontualmente com a ajuda de alguns amigos, entre eles Quico, nas teclas e programações). Teclados, guitarras, gira-discos, uma mesa de mistura, gravadores de bobinas... A maquinaria mostra-se sobre mesas e livros, sublinhando o tom quase anarca e desenrascado do ambiente em que nasce o disco.
Um Projecto Global, na verdade, é um disco no qual valem mais as ideias que as formas finais. O som mais parece o de uma maquete que o de uma gravação «oficial». Contudo, esta falta de polimento parece intencional. Não só pela falta de  meios que terão sido colocados à disposição do músico, mas certamente por uma vontade de mostrar e viabilizar caminhos seus. Entre os mais curiosos elementos deste disco a solo de Alexandre Soares destaca-se a presença de Pedro Ayres Magalhães, que assina a letra de Luzes no Hotel, a faixa de abertura do disco. Entre a lista de colaboradores referidos na ficha técnica do álbum, embora sem designação específica da sua contribuição, surge Jorge Romão (dos GNR).
Pela evidente diferença de formas face ao que eram os GNR de finais de 80, o passado de Alexandre Soares pouco lhe valeu junto aos media. Um Projecto Global mal se deve ter escutado na rádio. E, por várias razões, o disco acabou ignorado...
Esse insucesso deverá estar na origem do ponto final que Alexandre Soares então colocou à sua carreira em nome individual. E a ideia de eventuais sucessotres deste disco (de que fala em entrevista a Luís Maio no livro Afectivamente GNR) acabou sem concretização.
Alexandre Soares voltou a estar no centro das atenções quando, já nos anos 90, surge integrado na segunda formação dos Três Tristes Tigres, assinando com Ana Deus e Regina Guimarães os álbuns, de absoluta referência, Guia Espiritual (1996) e Comum (1998).
Nuno Galopim

ALEXANDRE SOARES LP «Um Projecto Global», Polygram, 1988, LADO A: Luzes No Hotel, Hibernar, (Que) Ricos Dias, Fora de Casa; LADO B: Respirar Chambo, Uma Coisa, Meus Amigos, Vozes, Recordo-me? PRODUÇÃO: Alexandre Soares.







Sem comentários:

Posts Relacionados

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...