follow me on Twitter

Post Aleatório

A Carregar...
Gadget by The Blog Doctor.

9.4.17

DN - Série: Discos Pe(r)didos (9)



DN - Diário de Notícias
02 Março 2002

Discos Pe(r)didos



Sinais dos tempos, o Portugal de finais de 70 vivia ainda os reflexos próximos da revolução. Na música era ainda notória a presença protagonista dos espaços de intervenção e afins, notando-se sinais de reacção apenas nas esferas de propostas mais ligeiras, que então começam a emergir. O rock vivia uma existência meio adormecida, sem Norte, com pontuais focos de agitação em aventuras próximas do som progressivo. Aventuras alheias às dinâmicas dos espaços de divulgação radiofónicos e televisivos, quase votando o tímido silêncio toda a força que eventualmente brotasse de um amplificador em ensaios de garagem.
Enquanto por aqui se ensaiavam as primeiras eleições livres da «era moderna», Londres e Nova Iorque acolhiam uma importante revolução musical que reflectia as angústias e limitações de uma nova geração de filhos de uma economia global desfavorável. Com um semelhante sentido de urgência, apesar das francas diferenças entre as manifestações em Nova Iorque (mais letradas e abraçadas pelos círculos intelectuais alternativos) ou em Londres (com origens num proletariado urbano culturalmente desfavorecido) o punk rompia os cenários da música feita teatro e negócio de meados de 70, e apresentava ao mundo uma nova forma de estar na música. Rude, rápida, viva, ansiosa, de concretização imediata, independentemente dos meios.
Apesar de pontuais faróis (um deles o fulcral programa «Rotação», de António Sérgio, na Rádio Renascença), o fenómeno ameaçava passar a Oeste do Cabo da Roca, já que nem a Phonogram (hoje universal) e Valentim de Carvalho (hohe EMI-VC) mostravam vontade de editar Sex Pistols, The Clash, X-Ray Spex...
Nos escaparates de algumas discotecas da baixa lisboeta surge, de um dia para o outro, uma compilação de capa a preto e branco, de «design» rude (onde não faltam alfinetes e lâminas de barbear). «Punk Rock / New Wave ‘77» era o título, editado pela desconhecida Pirate Dream Records... Com Zhe Guerra e Joaquim Lopes, António Sérgio havia formado a primeira etiqueta independente da indústria discográfica, destinada assim a divulgar os nomes do punk e new wave aos quais pareciam estar alheias as multinacionais do ramo. O trio regista a editora e licencia temas dos Sex Pistols, Skrewdriver, Motorhead, Eater, The Jam, London, The Rings, Generation X, The Radiators From Space, Warm Gun e Hideous Strenght, que logo reúne para esta compilação que cai no panorama nacional como uma pedrada no charco, decidida a representar e divulgar sons que ameaçavam escapar à atenção dos portugueses.
A pax lusitana é, entretanto, interrompida por uma acção judicial contra o disco, lançada pela Phonogram que acusa a editora de pirataria e afirma serem seus os direitos dos Sex Pistols. A Valentim de Carvalho despede, então, António Sérgio, que ali trabalhava emtão como promotor. A acção do director de programas da Rensacença, Albérico Fernandes, impede que semelhante cenário se repita no éter, que diariamente continua a receber as emissões de «Rotação». O julgamento prolonga-se até 1981, sendo os réus absolvidos sem que as acusações fossem provadas.
O disco, que teve uma tiragem de 500 exemplares, é hoje peça cobiçada nos circuitos de coleccionismo. Quanto Às multinacionais incomodadas com o «caso», apressaram-se a editar compilações e singles punk e new wave! A palavra tinha passado.
N.G.

VÁRIOS
«Punk Rock – New Wave ‘77»
Pirate Dream Records








Sem comentários:

Posts Relacionados

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...