follow me on Twitter

Post Aleatório

A Carregar...
Gadget by The Blog Doctor.

20.4.17

Livros sobre música que vale a pena ler (e que eu tenho, lol) - Cromo #65: Luís Jerónimo e Tiago Carvalho (compilação) - "Escritos de Fernando Magalhães - Volume VIII: 2000"


autor: Luís Jerónimo e Tiago Carvalho (compilação) - Prefácio: Nuno Magalhães (irmão)
título: Escritos de Fernando Magalhães - Volume VIII: 2000
editora: Lulu Publishing
nº de páginas: 630
isbn: none
data: 2017

 Escritos de Fernando Magalhães - Vol. 8 - 2000

Escritos de Fernando Magalhães - Vol. 8 - 2000

PREFÁCIO (páginas 1 e 2 de 10 no total)

(por NUNO MAGALHÃES - irmão do FM)

Possamos nós morrer
Como na Primavera
As flores da cerejeira
Puras e brilhantes.



Escrever sobre um escritor não é tarefa fácil.
Criticar um crítico, tão-pouco.
Escrever sobre o meu irmão é não só bem mais fácil, como uma honra, um prazer e simultaneamente uma sentida homenagem, plena de recordações emocionais, como quem faz uma viagem a um passado mais ou menos longínquo, aos meandros da nossa juventude.
Sob o risco de derramar na prosa um misto de sentimentos, muito pessoais, vividos a uma velocidade vertiginosa (“caricata”, como diria o Fernando) pauto estas minhas breves palavras por aquele conceito que parece não ter tradução em mais nenhuma língua do mundo: “SAUDADE” !
Para o público em geral, falar de Fernando Magalhães é falar de um dos maiores críticos musicais Portugueses de todos os tempos; para mim falar dele é falar de um dos meus melhores amigos, de cumplicidade fraterna, de comunhão de ideais, de entreajuda, de viagens, de surrealismo, de loucura e paródia (e também do nosso Sporting…!).
Como homem, para além do crítico, o Fernando era um mundo dentro de um outro mundo que talvez, na época, não estivesse bem preparado para o receber. A sua permanente inquietude e curiosidade, que o levavam a querer explorar novas vertentes que pudessem abanar o status-quo cultural existente, o seu inconformismo e tendência para o experimentalismo, a paixão que colocava em tudo o que fazia (a par, é certo, de uma certa ingenuidade e candura intrínsecas), o amor pelas artes, com especial incidência sobre a música, o seu sentido de humor cáustico e subtil, faziam dele uma caixinha de surpresas, um “mastodonte intelectual” como uma vez lhe chamei (e ele não se ofendeu!).
Quando se começou a interessar pela música, com cerca de 13 – 14 anos já estava uns anos adiantado em relação ao panorama musical da altura. Rapidamente se transformou num pioneiro quando se lançou na pesquisa de novos estilos musicais bem como de bandas até então desconhecidas em Portugal (curiosidade: o seu 1º LP foi o álbum de estreia da banda britânica de rock Led Zeppelin. Foi gravado em outubro de 1968 no Olympic Studios, em Londres, e lançado pela Atlantic Records em 12 de janeiro de 1969.
Enquanto pessoa, o Fernando nunca via maldade em nada. Era, como soi dizer-se, um “PURO”. Ou gostava ou não gostava (La Palice não diria melhor). Ao longo das décadas em que fez crítica musical sempre escreveu aquilo que sentia, com enorme genuinidade, assertividade, domínio da expressão literária e “know how” sobre a temática. Fazia-o com amor. Escrevia com o coração aquilo que lhe ia na alma (desculpem-me o chavão) e nunca tentou agradar a Gregos e a Troianos !
Do rock, pop, electrónica, fado ou folk, ao jazz, punk, soul ou  heavy metal, para ele só existiam dois tipos de música: A BOA e a MÁ !
Mas chega de falar do Fernando, como crítico de música (já muito se escreveu sobre esta matéria) e vamos lá revelar algumas das suas facetas, desconhecidas do grande público.
Éramos 3 irmãos (agora somos só dois) todos do sexo masculino. Dos 3 nenhum se livrou da pesada herança genética deixada pelo nosso progenitor, vulgo pai, que “enfermava” de um apurado sentido de humor, tocando,  por vezes, as raias da excentricidade. - Obrigado pai !
O nosso pai, com a preciosa colaboração da nossa mãe, metódico como era, concebia um filho de 4 em 4 anos pelo que o Fernando nasceu em 1955, eu em 1959 e o meu irmão Eduardo em 1963 (em Fevereiro, Março e Abril). De realçar que na altura não existiam máquinas de calcular.
Após uma infância mais ou menos normal (era tudo doido, lá em casa) e ainda durante o seu percurso académico, o Fernando, por volta de 1968, com 13 anos, ouviu na rádio um agrupamento que dava pelo nome de “The Beatles”, que tinham surgido em 1960, quando ele tinha apenas 5 anos. Parece que gostou do que ouviu e no Natal seguinte pediu ao Pai Natal que lhe desse um gira-discos. [...]


                                                                          ÍNDICE





Sem comentários:

Posts Relacionados

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...